Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.9/2282
Título: Edifícios de balanço energético nulo: uma síntese das características principais
Autor: Aelenei, Daniel
Aelenei, Laura
Gonçalves, Helder
Palavras-chave: Edifícios
Eficiência energética
Desempenho energético
NZEB
Data: 2013
Citação: Aelenei, D.; Aelenei, L.; Gonçalves, H. Edifícios de balanço energético nulo: uma síntese das características principais. In: Revista Edifícios e Energia, 2013, p. 70-74
Resumo: Os edifícios de balanço energético nulo têm recebido uma atenção crescente desde a publicação da nova Directiva sobre o Desempenho Energético dos Edifícios em 2010 (EPBD, 2010). A nova EPBD, vai obrigar todos os edifícios novos construídos a partir de 2020 serem caracterizados por níveis mais elevados de desempenho energético, procurando explorar mais as fontes de energia renováveis disponíveis localmente numa base economicamente equilibrada e sem prejuízo para o conforto dos ocupantes. Para este fim, a partir 2020 todos os novos edifícios deverão ser caracterizados por um balanço energético “quase nulo”. Um edifício de balanço energético quase nulo, ou nearly-zero, refere-se a um edifício com necessidades energéticas muito baixas, devido à adopção de medidas de eficiência, em que as necessidades serão supridas por fontes renováveis de energia. De acordo com referências bibliográficas recentes, vários Estados-Membros da UE já definiram os seus objectivos nacionais com base nas exigências da nova EPBD, enquanto estratégias semelhantes são consideradas pelos governos dos EUA e do Japão (Yokoo, 2009). A partir de 2020, todos os novos edifícios serão caracterizados por um balanço energético positivo em França (ECEEE, 2011) ao passo que o governo Britânico aponta na direcção duma estratégia baseada num balanço em termos de emissões de CO2 nulo (zero-carbon) (DSLG, 2009). Ainda o governo dos EUA promove “casas comercializáveis” e edifícios não residenciais de balanço energético nulo a partir de 2020 e de 2025, respectivamente (DOE, 2008). Com cada vez mais países a apontar na direcção deste novo padrão, em todo o mundo são conhecidos a volta de 300 edifícios que alegam um desempenho energético nulo ou perto do nulo (Musall et al., 2010).
URI: http://hdl.handle.net/10400.9/2282
Aparece nas colecções:UEE - Artigos em revistas nacionais

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Edificios e Energia_70-74 .pdf159,99 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.