Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.9/2617
Título: As sucessões metassedimentares do Supergrupo Dúrico-Beirão (Complexo Xisto-Grauváquico) e do Arenigiano expostas na área correspondente à folha 17-B (Fornos de Algodres), na escala 1:50.000
Autor: Silva, Antero Ferreira da
Palavras-chave: Metassedimentação
Litostratigrafia
Tectónica
Paleogeografia
Fase sarda
Ciclo varisco
Neoproterozóico
Arenigiano
Ediacariano
Paleozóico
Câmbrico
Ordovícico
Complexo xisto-grauváquico
Supergrupo Dúrico Beirão (Portugal)
Zona Centro Ibérica
Fornos de Algodres (Portugal)
Data: 2005
Citação: Silva, antero Ferreira da - As sucessões metassedimentares do Supergrupo Dúrico-Beirão (Complexo Xisto-Grauváquico) e do Arenigiano expostas na área correspondente à folha 17-B (Fornos de Algodres), na escala 1:50.000. Alfragide, INETI, 2005, 15 p.
Resumo: A revisão da cartografia geológica das rochas metassedimentares expostas na região de Sátão-Penalva do Castelo-Fornos de Algodres, inserida na área correspondente à folha 17-B (Fornos de Algodres), na escala 1/50.000, permitiu identificar as sucessões relacionadas com o Supergrupo Dúrico-Beirão e o Quartzito Armoricano. A sequência do Supergrupo Dúrico-Beirão encontra-se representada apenas pelos turbiditos distais clássicos do Grupo das Beiras (Formação de Rosmaninhal-fácies distal) e pelos turbiditos de ondas modificados do Grupo de Arda Marofa (formações de Sátão e Real), enquanto as rochas ordovícicas expostas se reduzem aos quartzitos armoricanos do Arenigiano. As rochas xisto-grauváquicas sofreram a deformação sin-sedimentar da Fase Sarda, não acompanhada de xistosidade de plano axial, bem como a deformação, metamorfismo e migmatização do Ciclo Varisco. Esta migmatização ocorreu na periferia da maior parte das suas exposições, em contacto com as rochas granitóides variscas. Porém, os quartzitos armoricanos apenas evidenciam a deformação e metamorfismo do Ciclo Varisco. Tectonicamente, esta área situa-se nos prolongamentos do estremo sudeste do Sulco Dúrico-Beirão e do extremo sudoeste da falha de Juzbado(Salamanca)-Penalva do Castelo(Viseu), esta posicionando-se a nordeste, entre Trancoso e o rio Águeda, no sinclinório da serra da Marofa, e, ainda, do sistema da falhas NNE-SSW tardi a pós-variscas. Este tectonismo parece ter sido responsável pela reorientação do alinhamento e foliação das rochas metassedimentares segundo NW-SE a NNW-SSE, entre Sátão e Real, para o sentido WSW-ENE, entre Real e Maceira, após o que prosseguem para Trancoso e a serra da Marofa.
URI: http://hdl.handle.net/10400.9/2617
Aparece nas colecções:GCG - Working papers

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
30537.pdf199,8 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.