Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.9/480
Título: O Parque Natural Hidrogeológico de Moura : contributos para a sua definição
Autor: Ribeiro, Luís F.
Dill, Amélia Carvalho
Nunes, Luís Miguel
Pina, Pedro
Barata, Teresa
Grueau, Cédric
Oliveira, Elisabete
Vieira, João
Costa, Augusto
Fernandes, Judite
Paralta, Eduardo
Midões, Carla
Lourenço, Maria Carla
Francés, Alain
Palavras-chave: Hidrogeologia
Aquífero cársico
Qualidade da água
Ecossistemas
SIG
Moura (Portugal)
Data: Mar-2002
Citação: Ribeiro, Luís; Dill, Amélia Carvalho; Nunes, Luís Miguel; Pina, Pedro; Barata, Teresa; Grueau, Cédric; Oliveira, Elisabete; Vieira, João; Costa, Augusto; Fernandes, Judite; Paralta, Eduardo; Midões, Carla; Lourenço, Carla; Francés, Alain - O Parque Natural Hidrogeológico de Moura : contributos para a sua definição. In: 6º Congresso da Água, APRH, Porto, 18-22 Março 2002
Resumo: O aquífero carbonatado cársico de Moura-Ficalho é uma das mais importantes reservas de água na região do Alentejo. A área caracteriza-se por condições climatéricas, geográficas, geológicas, e um potencial hídrico que a tornam ideal para o estudo de metodologias aplicadas à gestão de sistemas cársicos em regiões secas, mas com importante procura de água. Por sua vez os aquíferos cársicos são sistemas complexos e extremamente vulneráveis à contaminação e a alterações originadas pelas acções do homem nos ecossistemas locais, sendo por este motivo crucial a análise entre outros das fontes de contaminação, das áreas preferenciais de recarga e das direcções locais e regionais de fluxo. Estas razões justificaram a criação da figura de Parque Natural Hidrogeológico, o qual à semelhança de outros parques para outros recursos naturais, permitirá a protecção de um recurso natural sensível. Nesse contexto reveste-se de grande importância o estudo dos fenómenos e a evolução natural, sem restrições à priori quanto ao uso do solo. Tudo se passa como se o Parque Natural Hidrogeológico funcionasse como um Laboratório natural, à escala real, onde as interacções entre as componentes do ciclo hidrológico, as actividades humanas e os ecossistemas são estudados como um todo. Esta abordagem requer a análise do ciclo hidrológico em corte vertical entre a baixa atmosfera e a base dos aquíferos. É portanto uma abordagem mais rica que as abordagens clássicas nas quais o ciclo hidrológico é interrompido no topo dos aquíferos. De forma a preservar a perspectiva global do ciclo é necessário conhecer os fenómenos nas zonas de transição: atmosfera - água (fundamentalmente entre a zona vadosa e a zona saturada); água superficial - água subterrânea. Nestas zonas de transição as alterações das condições físicoquímicas são acompanhadas por alterações bióticas importantes. Dadas as relações entre a componente biótica e abiótica, uma não deve ser estudada sem o conhecimento da outra. Os ecossistemas nas zonas de transição são designados de ecotopos. Uma vez que os ecotopos são ecossistemas contínuos, isto é, não há variações abruptas no número e diversidade de indivíduos, então também as variações físico-químicas devem ser contínuas. O estudo dos ecotopos ajuda a perceber as transições contínuas nas zonas de interface, sem que haja a necessidade de impor fronteiras discretas - é portanto uma abordagem mais perfeita para o carácter contínuo dos processos naturais. As metodologias usadas para o estudo do Parque permitirão desenvolver ferramentas integradas de gestão, tecnicamente mais evoluídas uma vez que consideram o ciclo hidrológico como contínuo. Estas ferramentas poderão então ser utilizadas como auxiliares de decisão. O cruzamento de informação entre os regimes de protecção especial já implementados ou a implementar e as novas áreas de protecção dos recursos hídricos será facilitada pela presença de variáveis repetidas em ambos. Deve referir-se que a metodologia proposta utiliza a caracterização dos ecossistemas como um meio e não como um fim. A caracterização hidrológica do sistema terá um carácter multidisciplinar pelo uso integrado de diversas técnicas e métodos: geofísica, detecção remota, análise de imagem, geoestatística, morfologia matemática, análise multivariada de dados, modelação matemática.
URI: http://hdl.handle.net/10400.9/480
Aparece nas colecções:HAS - Comunicações em actas de encontros científicos nacionais

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
33621.pdf7,1 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.